Coxim, MS
28 de dezembro de 2017
Plantão
67 9 9659 6042
Tribus Conveniência Nova logo

Temendo ataques, Paraguai montou rotas falsas para extraditar Pavão

Movimentação na madrugada de hoje em frente ao quartel de grupo de elite da polícia, onde Pavão estava preso (Foto: ABC Color)

O avião da Polícia Federal brasileira com o narcotraficante Jarvis Gimenes Pavão decolou por volta de 8h15 de nesta quinta-feira (28) do aeroporto de Luque, nos arredores de Assunção, capital do Paraguai. O destino é Santa Catarina, segundo um dos advogados de defesa do bandido sul-mato-grossense, Adrian Brizuela.

Antes de Pavão ser colocado no avião da PF, no entanto, o clima foi de tensão na capital paraguaia. Natural de Ponta Porã (MS), ex-barão da droga de Santa Catarina e ainda um dos maiores fornecedores de cocaína para o Brasil e a Europa, Jarvis é temido no Paraguai.

Ele foi levado de helicóptero do quartel da Agrupación Especializada – grupo de elite da Polícia Nacional do Paraguai – até o Grupo Aerotático, onde foi entregue para a PF.

Temendo ataques de aliados de Pavão, para uma tentativa de resgate, ou até mesmo um atentado por parte de seus inimigos, a polícia paraguaia criou rotas falsas. Enquanto ele era levado de helicóptero, três caravanas de viaturas saíram do quartel ao mesmo tempo, por trajetos diferentes, para despistar.

A imprensa paraguaia chamou o esquema montado para a extradição de Jarvis Pavão de “mega operação sem precedentes”, tamanha a força de segurança instalada tanto nos arredores do quartel onde ele estava preso quanto no aeroporto, onde foi entregue aos policiais brasileiros.

“Usando um colete à prova de balas, um capacete e fortemente escoltado: foi assim que ele passou seus últimos momentos no Paraguai depois de ter completado sua sentença de oito anos por lavagem de dinheiro, associação criminosa e violação da lei de armas”, diz o jornal ABC Color.

“Cumprimos nossa missão constitucional de proteger a vida”, afirmou o comandante da Polícia Nacional, Luis Carlos Rojas. Segundo ele, para cumprir a extradição medidas de segurança extremas foram tomadas, para evitar efeitos colaterais.

A extradição cumprida hoje foi requerida pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina e concedida em 2010. Pavão está condenado no estado catarinense a 17 anos e 8 meses por lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e associação criminosa.

“Entregue a Deus” – Adrian Brizuela, advogado de Pavão, disse que seu cliente está resignado quanto à extradição e “completamente entregue a Deus”.

“Nunca houve intenção de fuga ou resgate. Quando ficou sabendo da decisão da juíza Lici Sanchez – que ordenou a extradição – ele começou a fazer as malas, empacotou a Bíblia e seus livros. Ele queria ficar no Paraguai, cumprir sua sentença aqui, porque teme pela própria vida no Brasil”, afirmou o advogado.

Imprimir

Comentários