Coxim, MS
4 de junho de 2018
Plantão
67 9 9659 6042
Tribus Conveniência Nova logo

Orlando diz que Bolsonaro é ‘fogo de palha’ e ‘não assusta’

Foto: Divulgação

Presente na 22° Parada LGBT de São Paulo, o deputado federal Orlando Silva e líder do PCdoB na Câmara disse neste domingo, 3, que o crescimento do também deputado e presidenciável pelo PSL, Jair Bolsonaro, não o “assusta”. “Bolsonaro não me assusta, é fogo de palha. Logo ele vai voltar para o lugar dele.”

Além disso, Silva comentou que o tom conservador da campanha presidencial se enfraqueceu após o episódio da greve dos caminhoneiros.

Levantamento encomendado ao Ibope pela TV Bandeirantes e realizado somente em São Paulo entre os dias 24 e 27 de maio, durante a greve dos caminhoneiros, mostra que só Bolsonaro cresceu durante a paralisação. Com 19%, em comparação aos 14% no mês anterior, ele ainda ficou tecnicamente empatado com o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

O deputado do PCdoB reconhece que a insatisfação atual da população favorece Bolsonaro em um primeiro momento, pois ele é a “negação da política”. Mas, aposta ele, Bolsonaro vai “derreter” quando começar campanha. “Meu palpite é que ele não tem partido, não tem apoio nos Estados, não tem tempo de TV e não tem recurso para fazer a campanha.”

Boulos

O pré-candidato à presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, também esteve na 22° Parada do Orgulho LGBT. Ele admitiu que o avanço do conservadorismo e de pautas como intervenção militar preocupam, mas não tiram a legitimidade do movimento dos caminhoneiros, que expressou, segundo ele, o fracasso do governo Michel Temer e da política de preços da Petrobras, atestada na demissão de Pedro Parente.

União das esquerdas

Apesar de já ter admitido ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) que o PCdoB pode abrir mão da candidatura para unir a esquerda no primeiro turno da eleição presidencial, Silva disse que isso não está “dado”. A pré-candidata da sigla, Manuela D’Ávila, também participou do evento, mas não falou com a imprensa.

“A tendência é manter a candidatura da Manuela. Assim como vamos manter, o Ciro (Gomes – PDT), o Boulos e o PT também. [Se as pesquisas não mostrarem avanço] temos que ver lá na frente. Quem vai sair e quem vai ficar temos que ver depois. Ou tem um acordo geral ou não acontece nada”, disse Silva.

Sobre isso, Boulos disse que a unidade da esquerda é pela democracia, mas que há “pontos de vista diferentes que precisam ser preservados”.

Congresso conservador

Em relação ao tema da Parada deste ano, “Poder para LGBTI+: Nosso Voto, Nossa Voz”, Silva afirmou que o combate à intolerância tem que ganhar forma na representação política. “Ter só um representante LGBT [Jean Wyllys (PSOL)] no Congresso mostra que o Parlamento está totalmente alheio à realidade brasileira.”

Imprimir

Comentários