Coxim, MS
17 de Maio de 2018
Plantão
67 9 9659 6042
Tribus Conveniência Nova logo

‘O Processo’, retrato angustiante do impeachment, chega aos cinemas

Protestos em abril de 2016, em Brasília (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Do público brasileiro, a cineasta Maria Augusta Ramos tem ouvido com algumas variações uma mesma avaliação sobre seu O Processo, documentário que retrata os trâmites e bastidores do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016: assistir as cerca de duas horas do filme é uma experiência que causa angústia, sofrimento. A avaliação não a surpreende. Afinal, são sensações que ela própria experimentou ao trabalhar na edição das 450 horas de gravações que tinha disponíveis. Mesclando imagens exclusivas com cenas bem conhecidas das comissões e votações que antecederam o afastamento definitivo da ex-presidenta, o filme, que tem lotado salas em festivais nacionais e internacionais, estreia nesta quinta-feira, 17, em circuito comercial.

O recorte de O Processo começa com a sessão da Câmara dos Deputados em que o afastamento de Dilma Rousseff foi aceito por uma maioria exaltada e emocionada, que, muitas vezes, lembrou em seus votos favoráveis Deus, a família e até figuras sinistras da história nacional, como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Mas esse momento dura pouco no filme e a sensação de angústia descrita pelos espectadores advém não do esdrúxulo, mas do rotineiro: o rito legal que se seguiu depois da votação na Câmara, em abril, até o final de agosto, quando Rousseff foi impedida. Meses em que o país, em estado de suspensão, assistiu o teatro, muitas vezes indecifrável, enfadonho e até cômico, em que acusadores e defensores se encontraram na comissão especial do impeachment.

Como em outros documentários de Ramos, que tem uma premiada trilogia sobre a Justiça brasileira, não há entrevistas em O Processo. Assim, a angustiante monotonia do julgamento da ex-presidenta é entrecortada apenas por imagens de bastidores, que se alternam entre reuniões da defesa – com a presença constante dos senadores petistas Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, além de José Eduardo Cardozo, então advogado-geral da União – e momentos de descontração, como a imagem da advogada de acusação Janaína Paschoal bebendo um Toddynho ou se alongando entre um debate e outro. “Não há entrevistas, porque quero retratar a vida enquanto ela acontece, não quero saber a opinião de quem viveu determinado acontecimento”, diz Ramos.

Se o filme acaba com o afastamento definitivo de Rousseff e seu discurso de despedida, o início, que mostra protestos de manifestantes contrários e favoráveis ao impeachment, dá a impressão de que, apesar da ausência de entrevistas, haverá imagens de bastidores de ambos os lados. “Eu não tive acesso aos bastidores de quem era favorável ao afastamento, até pedi, mas não deu certo. Mas acredito que isso não diminui o filme, porque ele vem preencher uma lacuna de discurso, já que acredito que grande parte do argumento que circulou na mídia naqueles meses era favorável ao impeachment”, diz a cineasta, que faz questão também de ressaltar que nunca tinha tido nenhum contato com os retratados das reuniões de defesa. “Na época, eu fui para Brasília sem ter noção se conseguiria autorização de um ou de outro lado”.

Vencedor dos festivais Documenta Madri, IndieLisboa e Visions du Reel – um dos mais prestigiados de cinema documental do mundo –, O Processo ainda faz pensar nas pessoas que saíram e entraram da vida nacional nos últimos anos. Se Eduardo Cunha e Aécio Neves, por exemplo, eram figuras constantes nas filmagens, agora passam por seus próprios problemas judiciais. Por fim, apesar de não carregar nenhuma grande novidade, em seu conjunto o filme é um retrato fiel do rito e da sensação que produziu em quem assistiu os acontecimentos ao vivo. Fiel, contudo, segundo Ramos, não quer dizer imparcial, pois, em última instância, a isenção total é uma ideia mais vendida do que factível. “O documentário é minha visão. E essa visão se dá através da maneira como eu filmo e como eu edito. Cada corte é um corte estético, mas também ético. É claro que é uma visão subjetiva, mas meu trabalho tem um comprometimento com a ética e a verdade”.

Imprimir

Comentários