Coxim, MS
25 de novembro de 2020
Plantão
67 9 9659 6042

Por que navio de guerra russo perseguiu e ameaçou destróier dos EUA

Almirante Vinogradov teria emitido alerta. Foto Getty Images

A Rússia diz que um de seus navios de guerra alcançou e expulsou um destróier da Marinha dos EUA depois que ele entrou em águas territoriais no Mar do Japão na terça-feira (24/11).

Moscou acusou o USS John S McCain de viajar 2 km através de sua fronteira marítima no Golfo de Pedro, O Grande e disse que ameaçou afundar o navio.

O navio de guerra dos EUA então deixou a área, de acordo com a Rússia.

No entanto, a Marinha americana negou qualquer irregularidade e disse que seu navio não havia sido “expulso”.

O incidente aconteceu na terça-feira no Mar do Japão, também conhecido como Mar do Leste, um corpo d’água que faz fronteira com o Japão, a Rússia e as Coreias.

De acordo com o Ministério de Defesa russo, seu destróier (ou contratorpedeiro) da Frota do Pacífico, batizado de Almirante Vinogradov, utilizou um canal de comunicação internacional para alertar o navio americano sobre “a possibilidade de usar abalroamento para tirar o intruso das águas territoriais”.

“A declaração da Federação Russa sobre esta missão é falsa”, disse um porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA, Ten Joe Keiley. “O USS John S McCain não foi ‘expulso’ do território de nenhuma nação.”

Ele disse que os EUA “nunca se curvariam por intimidação ou seriam coagidos a aceitar reivindicações marítimas ilegítimas, como as feitas pela Federação Russa”.

Esses incidentes no mar são raros, embora o destróier Almirante Vinogradov também tenha se envolvido em uma quase colisão com um cruzador americano no Mar da China Oriental no ano passado.

Tanto a Rússia quanto os EUA trocaram acusações pelo incidente.

Os dois países se acusam regularmente de perigosas manobras militares – no mar e no ar.

Em 1988, uma fragata soviética, a Bezzavetny, “esbarrou” em um cruzador americano, o Yorktown, no Mar Negro, acusando-o de se intrometer em águas territoriais.

As relações entre Moscou e Washington continuam tensas e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ainda não parabenizou Joe Biden por sua vitória nas eleições presidenciais dos EUA.

Os dois países também não finalizaram o último pacto de armas nucleares entre eles, que expira em fevereiro.

Em 2017, o USS John S McCain se envolveu em uma colisão com um petroleiro no território marítimo de Cingapura, quando 10 marinheiros morreram.

print

Comments

comments