Coxim, MS
12 de Janeiro de 2018
Plantão
67 9 9659 6042
Tribus Conveniência Nova logo

Facebook priorizará os conteúdos pessoais em relação às notícias

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg. REUTERS

Mark Zuckerberg se propôs a consertar o Facebook. Essa é sua meta para 2018. Acaba de dar o primeiro passo em seu plano com um anúncio que gerou grande polêmica entre alguns de seus aliados, a mídia nascida de sua capacidade de gerar tráfego. O Facebook dará prioridade aos conteúdos publicados por familiares e amigos frente às publicações que levem a assinatura de empresas ou meios de comunicação. É sua forma de, como já disse no aniversário da rede social, fomentar a comunidade.

O fundador e presidente do Facebook explicou que essas mudanças têm como objetivo agregar valor à experiência dos usuários. Quando anunciou seu desafio anual já disse que queria que o tempo utilizado no Facebook não fosse tempo perdido.

“Ultimamente temos recebido comentários de nossa comunidade dizendo que o conteúdo público — publicações de empresas, marcas e mídia — está afastando os momentos pessoais que nos levam a nos conectar mais com os outros”, explicou em seu perfil.

Também admitiu que os vídeos e o conteúdo promocional de empresas cresceu muito nos últimos dois anos, e por isso há mais publicações desse tipo que pessoais, de amigos e familiares.

Há alguns meses o Facebook está experimentando fazer perguntas para os perfis pessoais, relacionadas a suas experiências. Com isso, quer incentivar a criação de conteúdo por parte de pessoas físicas, assim como fazer com que compartilhem mais sobre si mesmas.

O executivo destaca que vários estudos acadêmicos apontam que esse desequilíbrio não é positivo para a experiência do Facebook: “As pesquisas mostram que usar as redes sociais para nos conectar com pessoas que nos importam impacta em nosso bem-estar. Podemos nos sentir mais conectados e menos sozinhos e isso está diretamente ligado aos índices de felicidade e saúde em longo prazo”.

Zuckerberg baseia sua decisão nesse mesmo estudo: “Por outro lado, ler artigos ou ver vídeos de maneira passiva, mesmo se forem de entretenimento ou informativos, talvez não seja tão bom”. Essa mudança, que logo será notada de maneira mais pronunciada, é paulatina. Há um ano estão configurando seu algoritmo para oferecer ao usuário o que lhe interessa.

No blog dedicado à imprensa, são fornecidos detalhes adicionais em um artigo assinado por Adam Mosseri: “Os que querem ver o conteúdo das páginas podem escolher ‘ver primeiro’ nas preferências para garantir que nada se perca de suas páginas favoritas”.

O Facebook tem diante de si o desafio de contentar empresas, mídia e organizações que confiaram em sua plataforma para criar comunidades. Não só com criação e publicação de conteúdos de maneira ativa, mas também investindo em anúncios para ganhar visibilidade e aquisição de usuários.

Há uma semana criou uma seção chamada “Today In” (Hoje em) que só funciona em seis cidades dos Estados Unidos: New Orleans, Little Rock, Billings, Peoria, Olympia e Binghamton. Os perfis que declaram morar em alguma dessas cidades veem em seu mural notícias da mídia local, sem necessidade de ser seguidores da página, assim como mensagens de interesse público publicados por instituições públicas da região.

De forma experimental, o Facebook lançou um aplicativo pensado para promover os eventos locais e gerar um vínculo mais forte entre os que vivem no mesmo lugar. Muito parecido ao atual Eventbrite, mas com ênfase na relação entre perfis. Também acrescentarão informação relacionada aos eventos.

Em setembro de 2017, o Facebook publicou que contam com mais de 1,37 bilhão de perfis ativos diários, de um total de 2,07 bilhões que o fazem pelo menos uma vez por mês.

Imprimir

Comentários