Coxim, MS
7 de janeiro de 2021
Plantão
67 9 9659 6042

Morto em emboscada com a esposa em Coxim já cumpriu pena por tráfico

Foto: Alisson Silva

Carlos Alberto Ferreira, o “Biguá”, de 50 anos, executado a tiros na noite desta terça-feira (5), na casa onde morava em Coxim, tinha várias passagens por tráfico, furto, roubo, ameaça e violência doméstica. O traficante inclusive cumpriu pena estipulada no processo de 7 anos em regime fechado e estava em liberdade há 1 ano. Durante a emboscada, a namorada de Biguá, Lubiana da Costa Silva, de 27 anos também foi morta a tiros.

Em 2010, Biguá foi preso pela Polícia Civil em flagrante, na residência onde morava no Bairro Piracema, às margens do rio Taquari, com 230 gramas de pasta base de cocaína, além de celulares e uma balança. Na época, Biguá disse ao Coxim Agora que era a primeira vez que havia sido preso por tráfico de drogas.

Em 2014, Carlos foi preso novamente em flagrante por tráfico. Dessa vez ele vinha sendo investigado pela polícia, quando foi flagrado vendendo cocaína na “Boca de fumo do Biguá” também em Coxim. Na casa policiais encontraram 27 paradinhas de pasta base prontas para a venda, uma porção grande de pasta base em estado bruto que renderia outras 160 paradinhas, R$ 149,00 em dinheiro adquirido na venda de entorpecente e quatro camisetas que haviam sido furtadas. No mesmo ano, ele começou a cumprir pena de 7 anos em regime fechado.

Execução- O crime aconteceu no Bairro Senhor Divino depois de um casal bater palmas na frente da residência. Quando Carlos saiu para atender, foi surpreendido por tiros de pistola nove milímetros. Ele correu para os fundos, mas foi seguido e, segundo a perícia, baleado de sete a nove vezes. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu na sala do imóvel antes da chegada do resgate.

Já Lubiana tentou se esconder no quarto, mas os criminosos invadiram o local e também balearam a mulher com três tiros, dois deles na cabeça.

Para a polícia, a principal suspeita é de que as mortes tenham ligação com o tráfico de drogas, já que “Biguá” era velho conhecido da polícia pelo crime, e estava em liberdade há 1 ano. Na casa, inclusive, foram encontrados papelotes de pasta base de cocaína sobre o sangue da vítima.

Segundo informações policiais, não se sabe se é um casal que cometeu um crime, conforme testemunhas seriam duas pessoas que saíram correndo após a execução.

A Polícia Civil realiza diligências na tentativa de localizar os autores do duplo homicídio.

print

Comments

comments