Coxim, MS
29 de março de 2020
Plantão
67 9 9659 6042

‘Estamos preparados para ver caminhões do Exército carregando corpos?’, questiona Mandetta a Bolsonaro

Mandetta, em coletiva sábado após reunião com staff de Bolsonaro: ministro descarta sair em meio à crise. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

A reunião de sábado (28) entre o presidente Jair Bolsonaro e integrantes de seu primeiro escalão, a fim de tratar de estratégias de enfrentamento ao novo coronavírus, foi marcada por forte tensão. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo afirmou que, no encontro, o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) ergueu o tom ao apresentar diferentes cenários para a evolução da Covid-19 no país e apelou para que o presidente deixe de lado o confronto com governadores e prefeitos, criando espaço para cooperação institucional.

Em certo momento, Mandetta teria explicado que a morte de mil pessoas pela doença é correspondente à queda de quatro Boeings. Depois, foi além e questionou: “Estamos preparados para o pior cenário, com caminhões do Exército transportando corpos pelas ruas? Com transmissão ao vivo pela internet?”.

O tom mais pesado vai ao encontro de posicionamentos iniciais de Mandetta durante a crise, onde se mostrou um defensor das quarentenas e de outras medidas de isolamento da população para evitar a circulação do vírus. Contudo, contrasta com as declarações mais recentes, nas quais se alinhou ao discurso de Bolsonaro –abertamente a favor do fim das medidas tomadas por gestores locais, que fecharam comércios e determinaram a retomada da rotina do país em prol da atividade econômica.

Mandetta, ainda segundo o Estadão, teria pedido para o presidente criar “um ambiente favorável” para municípios, Estados e União, junto ao setor privado, agirem juntos, sobre regras e medidas únicas embasadas em critérios científicos.

Uma das propostas do ministro da Saúde, inclusive, seria a criação de uma Central de Equipamentos e Pessoal para o remanejamento de leitos, respiradores e equipes de saúde de um Estado a outro rapidamente. O Ministério da Saúde já centralizou a compra de insumos e equipamentos para tratamento contra o coronavírus.

Saída

Em outro momento da reunião, Mandetta pediu que Bolsonaro deixe de menosprezar a gravidade da doença e não dê declarações polêmicas, como insistir pegar um metrô ou ônibus em São Paulo –como teria dito em entrevista.

O ministro afirmou que, em situações assim, veria-se obrigado a criticar o presidente que, em resposta, afirmou que, caso isso ocorra, demitirá Mandetta.

O Estado de S. Paulo pontua que o ministro e sua equipe não pretendem pedir demissão no meio da crise, mas estão prontos para sair depois dela. Ele teria admitido se tornar “bode expiatório” em eventual fracasso e prometeu não capitalizar a questão politicamente em caso de sucesso por não ter ambições políticas –Mandetta já foi citado como possível candidato em 2022, mas, em 2018, desistiu de disputar a reeleição ao cargo de deputado federal.

Alinhamento

Apesar de tensa, a reunião –que teve à mesa, além de Bolsonaro e Mandetta, os ministros Fernando Azevedo (Defesa), Sérgio Moro (Justiça), Luiz Eduardo Ramos (Governo), Braga Neto (Casa Civil), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), André Mendonça (AGU) e Antonio Barra Tores (Anvisa)– foi avaliada como positiva, por representar um “freio de arrumação”.

Os presentes deixaram claro concordar com a preocupação do presidente em relação à economia. Depois do encontro, em coletiva, Mandetta adotou de forma mais sutil a uniformização das medidas de isolamento e defendeu que o vírus pode afetar todo o funcionamento do país.

Ele também afirmou que a hidroxicloroquina, testada como medicamento para tratar a Covid-19, não é uma solução de curto prazo; e criticou as carreatas pró-abertura do comércio. “Daqui a duas semanas, três semanas, os que falam ‘vamos fazer carreata’ são os mesmos que ficarão em casa. Não é hora”, afirmou.

Com 3.904 mil casos, o Brasil registrou no sábado 114 mortos pelo novo coronavírus.

print

Comments

comments