Coxim, MS
13 de junho de 2019
Plantão
67 9 9659 6042

Comércio varejista de Mato Grosos do Sul tem queda nas vendas

Pesquisa havia mostrado resultado negativo em março – Foto: Bruno Henrique / Correio do Estado

O comércio varejista de Mato Grosso do Sul registrou, pela terceira vez seguida, queda no volume de vendas neste ano e fechou o mês de abril com recuo de 1,2%. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) e consideram a série com ajuste sazonal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em fevereiro e março, o resultado do setor também havia sido negativo, respectivamente em 0,2% e 1,2%. O único mês neste ano em que o varejo sul-mato-grossense apresentou crescimento em vendas foi janeiro (0,4%).

Apesar do desempenho negativo mensal, no comparativo com abril do ano passado, o comércio do Estado contabiliza crescimento de 4% nas vendas. No acumulado do ano e nos últimos 12 meses, os índices também vieram positivos, respectivamente 2,6% e 2,4%.

Quando considerado o varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, Mato Grosso do Sul também apresentou retração nas vendas de abril (-1,0%), após registrar, em março, avanço de 0,8%. Em relação a abril de 2018, as vendas registraram alta de 4%. No ano, houve avanço de 3,3%, e no acumulado de 12 meses, crescimento de 4,5%.

Quanto às receitas nominais, o varejo sul-mato-grossense cresceu 0,3% em abril em relação a março e 9,6% no comparativo com o mesmo mês do ano passado; no ano, o incremento é de 6,7%, e em 12 meses, de 6,9%. Já para o varejo ampliado, houve crescimento de 0,1% na receita do segmento de março para abril e de 8,2% em relação a abril do ano passado. Nos primeiros quatro meses de 2019, o acumulado é de 6,4%, e em 12 meses, de 7,8%, conforme informações da PMC.

NACIONAL

No País, as vendas do comércio varejista caíram 0,6% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, conforme o IBGE. O resultado veio abaixo da mediana das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que era negativa em 0,2%. O intervalo das previsões ia de queda de 1,0% a avanço de 0,6%.

Na comparação com abril de 2018, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,7% em abril de 2019. Nesse confronto, as projeções iam de uma elevação de 0,5% a 4,8%, com mediana positiva de 2,6%.
As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 0,6% no ano. No acumulado em 12 meses, houve avanço de 1,4%.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas ficaram estáveis (0,0%) em abril ante março, na série com ajuste sazonal. Esse resultado também veio aquém da mediana do intervalo das estimativas do mercado financeiro, positiva de 0,3%. O intervalo ia de recuo de 0,8% a alta de 1,3%.

Na comparação com abril de 2018, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 3,1% em abril de 2019. Nesse confronto, as projeções variavam de um avanço de 1,0% a 5,2%, com mediana positiva de 3,5%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam alta de 2,5% no ano, segundo o IBGE. Em 12 meses, o resultado foi de avanço de 3,5%.

ATIVIDADES

Cinco entre as oito atividades do varejo registraram perdas nas vendas em abril ante março, informou o IBGE. Na média global, houve redução de 0,6% no volume de vendas.

A redução de 1,8% nas vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo deu a maior contribuição para a queda global, seguida pela perda de 5,5% na atividade de tecidos, vestuário e calçados.

print

Comments

comments