Coxim, MS
12 de fevereiro de 2019
Plantão
67 9 9659 6042

MS terá 35% das rodovias estaduais pavimentadas

Rodovia estadual MS-338, que liga Santa Rita do Pardo ao município de Bataguassu. (Foto: Divulgação)

Mato Grosso do Sul deve ter 35% de suas rodovias estaduais pavimentadas até o ano de 2022. A estimativa é do estudo Desafio da Gestão Estadual 2018, elaborado pela consultora Macroplan.

De acordo com o levantamento, Mato Grosso do Sul foi o estado brasileiro com o maior avanço na pavimentação de rodovias em uma década. Em 2007, o Estado contava somente com 11,7% das estradas pavimentadas.

Já em 2017, ano base do estudo, este índice saltou para 23,2% de pavimentação, o que equivale a um aumento de 11,5 pontos percentuais. “Permanecendo nesse ritmo, MS alcançará o índice de 35% de rodovias pavimentadas até 2022. Por outro lado, Paraná, São Paulo, Bahia, Maranhão e Rio Grande do Sul, caso continuem com a trajetória apresentada na última década, alcançarão em 2022 índices inferiores aos de 2007”, analisou a consultoria.

Com o resultado, o Estado saltou da 20ª posição para a 7ª posição em rodovias pavimentadas. Já em relação ao estado de conservação das rodovias, o Estado recua para a 11º posição. O levantamento apontou que 37,9% das rodovias estaduais estão em boas condições de tráfego, o que corresponde a um aumento de 17,6 pontos percentuais em relação a 2007, porém de queda de 8,6 pontos percentuais em comparação ao ano anterior.

Levantamento da Secretaria do Estado de Infraestrutura (Seinfra) apontou que, até o ano passado, Mato Grosso do Sul contava com 14,6 mil quilômetros de rodovias estaduais. Deste total, 4,1 mil quilômetros eram pavimentados, aproximadamente.  Este número, porém, deve crescer com o andamento de obras importantes, como na região do Pantanal.

ESCOAMENTO

De acordo com o vice-governador Murilo Zauith, que chefia a pasta de Infraestrutura no Estado, o governo deve lançar, no segundo semestre deste ano, projetos para aumentar a malha rodoviária pavimentada no Estado. O objetivo, explicou, é acompanhar as novas fronteiras agrícolas que estão se formando no Estado. “Temos um olhar forte para o Pantanal para que haja condições de tráfego para a parte turística em qualquer período do ano. Também estamos abrindo novas fronteiras agrícolas no Estado. Economicamente, temos que dar viabilidade para o escoamento dessa produção com a construção de pontes e estradas. Então vamos trabalhar com três eixos principais: Pantanal, pontes de concreto e fronteira agrícola”, destacou.

A principal fonte de receita para esses projetos, explicou o vice-governador, continua sendo Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundersul). No ano passado, foram arrecadados R$ 550 milhões com o tributo. “Para este ano, temos que ver a nossa safra. Quantas carretas de grãos e quantos caminhões de boi vão passar pelas estradas. Estamos fazendo um levantamento para os próximos quatro anos”, destacou.

print

Comments

comments